Diocese de Caçador

Prioridade

Conviver como Amigos de Jesus Cristo

O Papa tem despertado muitas inquietações e expectativas há tempos arrefecidas pelo medo, pelo fechamento da Igreja sobre si mesma e pelo distanciamento da vida e dos problemas e sofrimentos do povo. É preciso recuperar o horizonte, o espírito e a força desencadeadas pelo Vaticano II. Porém, Francisco nos convoca a ir além, a “uma nova alegria na fé e uma fecundidade evangelizadora” e a “voltar à fonte e recuperar o frescor original do Evangelho”. É preciso converter nossos caminhos ao caminho de Jesus, o que Aparecida chama de “conversão pastoral”. É necessário voltar a Jesus e ao seu Evangelho, pois ele “pode sempre renovar a nossa vida e a nossa comunidade, ainda que atravesse períodos obscuros e fraquezas eclesiais” (EG 11).

Projeto “Amigos de Jesus”

Definição
O projeto “Amigos de Jesus” é a resposta pastoral da Diocese de Caçador para esta nova etapa da ação evangelizadora. É a concretização de uma Igreja de tamanho humano, caminho mais adequado para a formação de discípulos missionários de Cristo, assim como Jesus fez com seus discípulos. É em grupo que as pessoas ganham uma visão adequada para refletir sobre a vida e seus desafios, para definir seus objetivos e projetar sua ação. É assim que as pessoas reunindo-se em grupos de “Amigos de Jesus” aprenderão a recriar a vida a partir da fé em Jesus Cristo, a enfrentar problemas e desafios coletivamente, e a resgatar valores como a amizade, o companheirismo, a partilha e solidariedade.

Justificativa
Para dar continuidade, com eficácia, aos projetos formação e missão entendemos que os “Amigos de Jesus” são o melhor caminho. É o caminho para o anúncio da vida, da mensagem, da morte e ressurreição de Jesus. É um espaço privilegiado para a conversão e, consequentemente, para formar discípulos missionários. Os grupos de “Amigos de Jesus” ajudarão de maneira exemplar a alcançar o objetivo da diocese, a assumir as grandes linhas da evangelização da Igreja latino americana e dar uma resposta à convocação do papa Francisco para que sejamos uma Igreja em saída, em direção às periferias sociais e existenciais.

O projeto “Amigos de Jesus” é um meio privilegiado de evangelização. Através dele, a partir das casas, dos condomínios, das ruas, dos bairros, o Reino de Deus vai acontecendo, crescendo. Muitas pessoas se sentem atraídas por Jesus Cristo mas vivem distantes do seu projeto, da sua palavra. No grupo “Amigos de Jesus” as pessoas se conhecem, sentem-se valorizadas, se tornam mais solidárias, mais fraternas, aprendem a lutar pelo bem comum, assumem compromissos em favor da comunidade e abrem os horizontes na busca de um mundo melhor. Nele as pessoas despertam seus talentos e percebem-se capazes de assumir alguma pastoral ou ministério em favor da comunidade. O grupo “Amigos de Jesus” é espaço privilegiado de formação cristã tanto para crianças, adolescentes e jovens, quanto para adultos e idosos. Nele as pessoas aprendem a superar as tentações do discípulo missionário e assumem os princípios e as virtudes que brotam do Evangelho. É por meio deles que Jesus se torna mais conhecido, amado e seguido.

Objetivo geral
Dar um novo impulso missionário criando espaços onde se possa renovar a fé em Jesus crucificado e ressuscitado, compartilhar as próprias questões mais profundas e as preocupações cotidianas, discernir em profundidade e com critérios evangélicos as várias realidades humanas, orientando para o bem e a beleza as próprias opções individuais, comunitárias e sociais.

Objetivos específicos
São objetivos específicos deste projeto:

1) Dar continuidade à formação permanente do povo de Deus a partir dos pequenos grupos;
2) Aproximar-se da Bíblia com olhar de discípulo que busca conhecer, amar e seguir Jesus a partir dos Evangelhos e do encontro pessoal e comunitário;
3) Promover um processo gradual de crescimento na fé que conduza à conversão pessoal e comunitária;
4) Desenvolver a amizade, as relações fraternas e a participação na vida comunitária;
5) Celebrar a vida, de maneira lúdica e simbólica, à luz das palavras e do agir de Jesus, fortalecendo uma espiritualidade libertadora;
6) Despertar para o compromisso missionário de todo o batizado, especialmente aqueles que foram batizados mas não devidamente e suficientemente evangelizados;
7) Cuidar da vida, curando feridas, aliviando o sofrimento, transformando a sociedade, defendendo uma vida digna para todos;
8) Aproximar-se dos que vivem nas periferias existenciais, dos mais pobres, esquecidos e indefesos;
9) Ser Igreja em saída e trabalhar por uma sociedade mais acolhedora e includente;
10) Defender direitos, exigir e promover justiça, praticar a solidariedade;
11) Encontrar no Evangelho a luz para compreender e enfrentar os desafios das diversas realidades humanas e sociais.

Metodologia
Os grupos “Amigos de Jesus” se constituem sempre tendo como ponto de partida os evangelhos. Contemplam diferentes temáticas e maneiras de ser, de refletir, de viver e de se expressar, conforme as realidades específicas de cada grupo. Não há pré-requisitos para participar do grupo. Crentes ou não crentes interessados em conhecer Jesus ou que se sentem atraídos por ele podem participar. Ele está no coração de todos, despertando a fé e o desejo de uma vida mais digna, humana e fraterna.

1) Primeiramente, é fundamental convidar e divulgar a ideia entre amigos, parentes, vizinhos, pessoas do trabalho, da escola etc;

2) Reunir pessoas que tenham afinidades entre si (área geográfica, área profissional, faixa etária, interesses, espaços de convivência), e que tenham o desejo de conhecer Jesus;

3) Organizar o grupo que tenha em torno de 12 pessoas, para que seja de um tamanho humano, onde todos possam se conhecer e aprofundar a amizade e a “descobrir e transmitir a ‘mística’ de viver juntos, misturarmo-nos, encontrarmo-nos, darmos o braço, apoiarmo-nos, participar nesta maré um pouco caótica que pode transformar-se numa verdadeira experiência de fraternidade, numa caravana solidária, numa peregrinação sagrada” (EG 87).

4) Marcar o dia do primeiro encontro para conhecer a proposta e a celebração de abertura no Grupo; reservar um bom tempo para conversar sobre os melhores dias e horários para que o Grupo se encontre;

5) Os locais onde o grupo se encontrará também deverá ser conversado e assumido por todos os participantes; nada impede que os locais sejam rotativos, uma vez em cada local, mas que aconteçam, preferencialmente nas casas dos participantes (pode ser feita também uma confraternização, porém de maneira mais simples possível);

6) Haverá um roteiro para que os encontros sejam processuais, graduais, ordenados e dinâmicos, mas isso não exclui a criatividade. Porém, é imprescindível que todos tenham a sua Bíblia para acompanhar, meditar e rezar a partir dela;

7) Para progredir no conhecimento e no avanço do Grupo, é necessário comprometimento de todos e com todos – uns com os outros –, perseverança, insistência, gratuidade, lazer, liberdade, ambientes apropriados…

8) No Grupo deve prevalecer o espírito de serviço, igualdade e fraternidade, embora seja necessário uma organização (animador, coordenador, rezador e outras tarefas), ninguém pode se sobrepor aos outros por sua função;

9) Para que o encontro tenha bons frutos e alcance o seu objetivo, é fundamental que todos se preparem espiritualmente, se proponham a partilhar suas experiências e contribuir com sua reflexão;

10) É preciso ter compromisso e participar. O encontro não é a única atividade do grupo, mas sim um momento de crescer enquanto discípulos de Jesus, de se fortalecer, de se animar e de planejar ações enquanto grupo e depois realizá-las;

11) Os Grupos de “Amigos de Jesus” não pretendem e não poderão substituir outros grupos pastorais, nem processos catequéticos ou formativos que têm seus objetivos e métodos próprios. Quem já serve em alguma pastoral ou ministério da igreja continuará com sua missão. Todavia o grupo deverá ser assumido por todos os agentes de pastoral como um espaço para reavivar sua identidade de discípulo missionário de Jesus Cristo.

Periodicidade
Cada Grupo de “Amigos Jesus” deve achar o seu jeito próprio de participar, os horários e dias mais adequados para se reunir. Entendemos que o melhor é definir sempre o mesmo horário e dia da semana. É bom que dias e horários sejam fixos, por exemplo, sempre no primeiro e terceiro domingo de cada mês, às 19h. O mais indicado é que o grupo se encontre a cada 15 dias. No entanto, aceita-se também no mínimo uma vez ao mês e no máximo uma vez por semana garantindo a dinâmica do grupo.

Durante o ano de 2017, o Plano Diocesano de Pastoral, este projeto Amigos de Jesus, bem como outros subsídios deste projeto serão estudados. Neste mesmo ano será oferecido o curso diocesano e os encontros paroquiais de capacitação para o projeto.

Propomos aos grupos “Amigos de Jesus” uma caminhada de dois anos. Depois deste período cada grupo fará uma avaliação e tomará alguma decisão a respeito da continuidade. Também as outras instâncias da diocese farão o acompanhamento e avaliação do projeto. Entendemos que os grupos poderão continuar com novos subsídios, envolver-se na caminhada pastoral da comunidade/paróquia ou ajudar a organizar e animar novos grupos de “Amigos de Jesus”.

Instrumentos
O instrumento fundamental para os grupos “Amigos de Jesus” é a Bíblia. Todos deverão levar sempre aos encontros a sua Bíblia. Poderá ter várias traduções da Bíblia, pois isso não prejudica, mas enriquecedor o grupo.

O roteiro base para os grupos “Amigos de Jesus” terá 40 encontros e duas celebrações. Este roteiro será mais completo. Outros roteiros poderão ser elaborados conforme surgirem as necessidades.

Outros subsídios poderão ser confeccionados por uma ou várias equipes diocesanas conforme forem surgindo novas realidades ou temáticas específicas e poderão ser impressos ou oferecidos via jornal Fonte ou site da diocese.

Espiritualidade
A espiritualidade do seguimento de Jesus é a alma que envolve os membros do grupo de “Amigos de Jesus”, na defesa da vida, da dignidade das pessoas, da ecologia, do valor do trabalho, da liberdade e da ética e, na construção do Reino de Deus. É essa espiritualidade que fará o grupo mais orante, reflexivo, espontâneo, festivo, profético e transformador. Ela não deixa o grupo fracassar. A espiritualidade é uma motivação profunda que faz a pessoa “sacudir a poeira e dar a volta por cima”, que faz a pessoa, mesmo na escuridão e na perseguição, anunciar, com convicção, que o Reino de Deus, da solidariedade e da igualdade, está próximo. Essa espiritualidade nos faz encontrar tempo para a gratuidade do “estar com as pessoas”. Nela encontramos o sal que dá sabor, e a luz que nos ilumina na caminhada. Aos grupos de “Amigos de Jesus” serão sugeridos cantos e orações, mas os grupos tem a liberdade de beber das diversas fontes da espiritualidade cristã. A leitura orante da Palavra de Deus é elemento constitutivo da caminhada dos grupos.

Fonte: Plano Diocesano de Pastoral 2017 – 2020